AFARAM


INTERVENÇÃO CÍVICA

Em que consiste a intervenção cívica da AFARAM?

 

As associações de que a AFARAM é exemplo surgiram especialmente vocacionadas para o processo de reabilitação psicossocial e reinserção social dos doentes. Dentro desta orientação cívica geral há quatro vertentes a destacar:

a) Utentes – as pessoas com doença mental severa e persistente que gozam de alguma estabilização clínica;

 b) Famílias;

c) Comunidade em geral;

d) “Advocacy”.

 Os utentes que procuram a ajuda da AFARAM têm em geral um historial de crises psiquiátricas, por vezes com vários internamentos hospitalares, de maior ou menor duração. Deixaram de ter uma vida normal na família e fora dela, com perda de amigos, com normal interrupção dos estudos ou perda do emprego, vulgar perda de auto-estima e motivação de vida, arrastando um dia a dia de inacção, sem esperança, sem convivência, sem horizonte de mudança, sem qualquer projecto de vida, uma situação de maior ou menor exclusão. Estes efeitos decorrem dos défices causados pelas doenças (depressão, doença bipolar, esquizofrenia, ansiedade generalizada, perturbação obsessivo-compulsiva, fobias, etc.) e das acrescidas consequências dos internamentos, propiciadores de perda de convívio e isolamento social.

 São doenças causadoras de limitações funcionais, a nível individual e social, geradoras de forte desvantagem e capacidade diminuída para que se possa ter, sem reabilitação psicossocial, um processo de vida como o comum das pessoas. A experiência demonstra que estas doenças não se tratam só com medicamentos.

São muito importantes e em regra imprescindíveis, mas tal reabilitação apresenta-se como uma efectiva componente do que deve ser um tratamento abrangente. É tal componente que a AFARAM procura assegurar, sem descurar a devida atenção à assistência médica e aos medicamentos.

 As famílias podem encontrar ajuda para as suas necessidades, através de acolhimento, disponibilidade empática para as ouvir, compreensão, respeito, atenção, aconselhamento, convívio, um clima de confiança, passar a ver a doença do seu familiar com outros olhos, saber aceitar a doença sem se deixar esmagar por ela, adquirir competências para saber lidar com muito diversas e difíceis situações (stress e outra  carga afectiva e emocional, eventual agressividade, gestão de conflitos, a incerteza acerca do futuro, carências económicas, etc.). É ainda muito relevante a informação qualificada que a associação pode facultar. Espera-se que em breve se possa dispensar também apoio domiciliário, o que até aqui só tem sido possível em casos excepcionais.

 A comunidade em geral assume extrema relevância. Para que ocorra a mais completa inserção possível na comunidade, esta deve ser informada e sensibilizada a propósito dos ex-doentes e pessoas estabilizadas. Basicamente, requer-se da comunidade uma dupla atitude: por um lado, uma postura de aceitação (e não de cega rejeição ou exclusão); por outro, uma atitude de esclarecidas humanização, solidariedade e colaboração bem pró-activa. Uma representação social da doença mental dominada por mitos grosseiros, sem fundamento, impróprios da época em que vivemos, alimentam o estigma e a discriminação e estes são os maiores obstáculos à reinserção social (na família, na vizinhança, na educação, na habitação, na formação profissional, no laser, no emprego, etc.). É a consciência plena deste circunstancialismo que justifica exactamente a iniciativa da AFARAM com o título “Saúde Mental: Oito Dias de Reflexão”).

 A “advocacy” é a postura sistemática de defesa de direitos, interesses e qualidade de vida de utentes e famílias. Trata-se de algo que vivemos como um imperativo ético.

Como se processa a Intervenção da AFARAM?

 A sede da AFARAM tem funcionado regularmente todos os dias úteis da semana como centro de apoio comunitário, com actividades que decorrem de uma programação estruturada, diária e semanalmente, complementada com um leque diversificado de actividades no exterior. Estas últimas, mesmo quando proporcionam uma complementar oportunidade de convívio, lazer ou recreio, adquirem especial relevo quanto a certos comportamentos e a desenvolvimento pessoal geral. Aspecto de particular significado do trabalho com os utentes é o da aquisição e desenvolvimento de competências sociais básicas, visando recursos que concorram para o objectivo da reinserção social. Procura-se a valorização sistemática dos recursos remanescentes e desenvolvem-se também outros, no sentido da conquista da maior autonomia e independência possíveis.

 Apesar da normal e sistemática disponibilidade para receber, a pedido, familiares dos utentes e da frequente iniciativa da AFARAM de contactar elementos familiares, no interesse do melhor processo evolutivo dos utentes, a AFARAM tem estimulado o encontro com as famílias e das famílias entre si em datas oportunas, nomeadamente em certos períodos especiais do ano civil (Natal e outros). Esta dimensão de uma verdadeira comunidade dentro da AFARAM será, esperamos, reforçada no futuro, dado que há esperança de virmos a dispor de mais recursos de pessoal especializado.

 A propósito de intervenção cívica e formativa no meio, a AFARAM tem já um historial de real significado, pela concretização de um apreciável leque de iniciativas no passado, ainda que sempre lutando com recursos e apoios financeiros muito escassos.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: